blog

Cliente gringo, e agora?

15 de Dezembro de 2020

por Denise Saito

Disclaimer: Tivemos um problema técnico na transmissão dessa Live no YouTube, por isso não temos o vídeo pra colocar aqui :( Mas ela foi transmitida no Instagram e está disponível no nosso IGTV.

Apareceu um cliente gringo. E aí, o que fazer? Na maior parte do tempo, não vai mudar muita coisa mas tem alguns momentos que podem surgir dúvidas. Quanto cobrar, como receber o pagamento, como emitir nota. E é sobre isso que falaremos hoje. Não vou dar dicas de como conseguir clientes estrangeiros pois isso é assunto pra outro dia.

5 coisas que você precisa saber

1. A relação é bem diferente

A gente que é brasileiro tá acostumado a misturar o pessoal e profissional e achar isso normal. A gente acaba virando amigo do cliente, troca mensagens no WhatsApp e muita coisa se resolve no "jeitinho". Com cliente gringo, a coisa é bem diferente. Eles costumam ser bem mais práticos e diretos ao ponto. Eu acho isso maravilhoso porque às vezes esse jeito do brasileiro me cansa 😅 Eles costumam já chegar com um briefing mais definido e sabem o que querem e precisam. É legal saber disso de antemão porque muitas vezes pode parecer grosseria ou falta de educação, mas não é. É só que eles querem mesmo resolver o problema deles, não fazer amizade com você.

2. Cobrar em reais é uma péssima ideia

Pensa que no dia que você faz a proposta, o dólar pode estar a 5 reais e no dia do pagamento chegar a 5,50. Essa flutuação é comum e pode ser um lucro pra você. Claro que o contrário também pode acontecer mas na maioria das vezes a cotação costuma subir e não cair.

3. Cobre considerando a realidade do cliente

Imagina que você mora em São Paulo e vai fazer um trabalho pra alguém de Recife. Com certeza, o que você cobrar vai ser considerado caro pros recifenses, afinal seu custo de vida é muito mais alto que o deles. O contrário também se aplica, um profissional de Recife seria considerado barato pra realidade de São Paulo. Ou seja, um paulistano precisaria reduzir um pouco seu orçamento pra realidade de Recife, e o recifense pode aumentar bastante seu orçamento que ainda estará dentro da realidade paulista.

O mesmo se aplica quando trabalhamos pra fora do país. A gente pode e deve adaptar nosso orçamento de acordo com o custo de vida do cliente. E pra saber qual a realidade do seu cliente, é preciso fazer uma mini pesquisa. Eu uso o Numbeo pra saber qual o custo de vida aproximado da cidade.

Por exemplo, digamos que o cliente é de Nova Iorque. O Numbeo diz que eu precisaria de R$40.000 pra pagar pelo mesmo padrão de vida que custa R$11.000 em São Paulo. Ou seja, já entendo que o custo lá é 4x maior que aqui. Com isso, se eu cobraria R$4.000 pra um cliente paulista, posso cobrar R$16.000 pra um cliente nova iorquino. Essa é uma conta aproximada só pra você começar a entender a lógica da coisa.

4. Você precisa emitir nota mesmo que não tenha valor pro cliente

A nossa nota fiscal brasileira não tem tanto valor fora do Brasil. Pro cliente, você pode só emitir uma invoice, que é um documento não oficial pra gente. A invoice pode ser um Word com todos dados escritos por você mesmo, não tem validação legal ou fiscal. Isso, pra eles, já é suficiente mas pra gente, não. Você ainda vai precisar emitir a nota fiscal eletrônica como faria com um cliente brasileiro. E como faz?

Simples. É só emitir uma nota sem tomador definido. Nossa, quenhé tomador? É seu cliente, ou o CNPJ do cliente. Em outras palavras, você emite uma nota vazia, pra ninguém, só pra constar na sua declaração de imposto de renda. Os campos dos dados do cliente vão ficar vazios, assim:

É importante emitir a nota mesmo sem CNPJ de cliente porque isso diz pro governo que você recebeu aquela grana, e isso resulta em impostos que você precisa pagar. Se você não emitir, quer dizer que está sonegando impostos, o que quer dizer que tá fora da lei.

5. Receber pagamento de fora pode ser complicado

Mas eu tenho a melhor dica: Payoneer. Ele funciona como um PayPal, só que melhor porque não cobra taxas absurdas. Você cria sua conta e ele automaticamente gera contas de banco pra você receber em dólar, libras, euros, ienes e dólares canadenses. Na plataforma aparece assim:

Ou seja, pro seu cliente, ele vai fazer a transferência pra um banco local, do mesmo país que o dele. Essa grana cai na sua conta da Payoneer e você transfere pro seu banco brasileiro. O seu cliente não paga taxas pra fazer essa transição, e você não paga pra receber. A única taxa é de 2% pra transferir da Payoneer pro seu banco brasileiro. Eu já usei e funciona perfeitamente.

Tem mais dúvidas sobre como administrar clientes estrangeiros? Manda aqui nos comentários que te respondo :)

⟵ Voltar

Quer receber notificações sobre novos conteúdos e iniciativas?

Tudo certo! 👍🏽
Ops! Algo deu ruim ☹