blog

Como trabalhar menos e melhor

por Denise Saito

19 de Dezembro de 2020

Como autônomos, uma das coisas boas é que a gente escolhe quanto tempo se dedica ao trabalho. Dá pra focar mais no que importa e, consequentemente, trabalhar menos. Eu trabalho em média 3 horas por dia.

Os dias que trabalho 5 ou 6 horas parece que passou um caminhão por cima de mim. E eu tenho duas "tiuría": uma é que eu foco tanto que uma hora de trabalho cansa por dois. E a outra é que mesmo quem não é freelancer e não não faz home-office trabalha só umas 4, 5h por dia mas não percebe. Porque o resto do tempo tá papeando com os colegas, escrolando no Instagram ou qualquer coisa do tipo.

Quando decidi escrever esse artigo, comecei a devanear sobre o assunto e o que vou trazer aqui é parte disso. Eu não sou historiadora, pesquisadora ou socióloga, mas pensando com meus botões eu fiquei me perguntando porquê essa coisa de 8 horas por dia.

De onde vem essa história de 8h por dia

Lembra da Revolução Industrial, quando a galera começou a bombar as fábricas e produzir insanamente nas indústrias? Pois bem, lá por volta de 1800 o pessoal começou a trabalhar muito, muito mesmo, tipo publicitário em época de concorrência, e claro que não estava sendo legal.

Os trabalhadores, então, reivindicaram seus direitos e difundiram a ideia da jornada de oito horas, pra botar um limite nas coisas. Essa ideia foi aprovada e dura até hoje. 220 anos depois, a galera continua trabalhando oito horas por dia, com uma hora de intervalo para o almoço, batendo ponto quando entra e sai. Que nem. Os operários. Das fábricas.

Isso pra mim já disse tudo, mas vou ser um pouco mais óbvia: seguimos reproduzindo um modelo criado há 220 anos e não mudamos nada porque, sei lá, tá bom do jeito que tá. Só que não, porque o povo não tá feliz. Se fazia sentido reduzir pra oito horas naquela época, acho que faz sentido reduzir pra seis ou quatro horas hoje em dia.

De lá pra cá, muita coisa mudou, inclusive nossa forma de trabalhar. Hoje, muita gente senta na frente de um computador e passa oito horas na frente dele. Mas ninguém aguenta ficar oito horas sentado, sem olhar pros lados, sem levantar, sem pensar na morte da bezerra. Se você for rastrear quantas horas trabalha de fato, tirando o papo furado com o colega e o tempo escrolando no Instagram, tenho certeza que vai ficar por volta das 4 a 6 horas diárias. E é aí que tá: eu sento na frente do computador e trabalho. E durante essas 3 horas, eu produzo o que tenho que produzir. E ponto.

A questão é que quando você é obrigado a estar essas oito horas debaixo do teto de uma empresa, você vai trabalhar, parar, conversar, trabalhar, comer, conversar. Mas quando você é dono da sua vida e decide como usar o tempo, você quer mesmo é resolver o trabalho logo pra ter tempo de ficar com a família, os amigos, se exercitar, meditar, ou que te fizer bem. Claro que isso demanda disciplina, rotina e vergonha na cara. Mas são coisas que se aprende com o tempo.

E como faz pra aumentar a produtividade?

Algo que me ajudou a trabalhar menos foi simplesmente saber quanto eu trabalho. Cheguei à conclusão que eu sempre trabalhei pouco, mas não tinha consciência. Outros truques como ter uma rotina, fazer pausas e diminuir as distrações também ajuda bastante. Aí vão algumas dicas pra aumentar sua produtividade.



1. Comece a usar um rastreador de produtividade

Você precisa saber quanto tempo exatamente trabalha, e quanto tempo gasta em cada projeto, cliente ou tarefa. Pra isso, indico quatro ferramentas: Toggl, Top Tracker e Timely.

Toggl: é grátis e você acessa pelo navegador. Lá você pode criar os clientes ou projetos em que está trabalhando e aperta o play quando começa a trabalhar, e o stop quando terminar.

Top Tracker: também é grátis e você baixa um app no seu computador. O acesso é mais fácil, um ícone fica fixo na barra superior, onde tem o botão de play. Diferente do Toggl, ele pára sozinho depois de um tempo, caso você não confirme que ainda está naquele projeto, ou caso o computador entrar em descanso. É bom pra quem costuma esquecer de apertar o stop. Ele também tira printscreens enquanto você trabalha, caso precise provar pro cliente que você esteve mesmo trabalhando.

Timely: é pago e tem um free trial de 30 dias. O diferencial dele é que você não precisa fazer nada, nem dar play nem stop, ele identifica os aplicativos que você está usando e setoriza tudo. Depois você pode confirmar se ele acertou ou não e ele vai ficando mais inteligente. Outro diferencial é que ele faz um cálculo de quanto sua hora custou até o momento, de acordo com o que você cobrou. É muito útil pra saber se você está lucrando, ou se está trabalhando mais do que esperava.     


2. Tenha uma hora fixa para trabalhar

Sua rotina pode ser acordar às 6h e trabalhar das 7h às 12h. Ou acordar às 11h e trabalhar das 19h às 23h. Faça como preferir, mas tente definir seu intervalo de trabalho. E durante esse tempo, foque o máximo que conseguir no trabalho, e nada mais.

3. Faça pausas

Você vai começar a perceber que trabalhar menos cansa mais porque você está muito mais focado. Faça uma ou duas pausas durante seu período de trabalho, a cada 1h30 ou 2h, dependendo do que você achar melhor. Essas pausas podem ser de 15 minutos até 1h. Vá testando e vendo o que funciona melhor pra você. Cada dia pode pedir uma pausa diferente, depende muito do contexto.

4. Tente diminuir aos poucos suas horas de trabalho

Comece trabalhando normalmente, usando um rastreador de tempo. Digamos que você identificou que trabalha em média 6h por dia. Na semana seguinte, tente estipular um limite de 5h30 por dia. E depois 5h. E depois 4h30. E veja até onde você consegue chegar. A ideia é aumentar a produtividade e manter o resultado. Trabalhar menos e manter ou melhorar o output do seu esforço.

5. Não olhe e-mails, mensagens ou coisas relacionadas a trabalho fora da sua hora de trabalho

Pode não parecer, mas olhar um e-mail do cliente na cama antes de dormir, ou responder uma mensagem de Whatsapp durante o almoço é sim trabalho. E isso te cansa sem que você perceba. Fora do seu intervalo de trabalho, esqueça dos clientes. Descanse de verdade e foque em resolver tudo que precisa ser resolvido nas horas que você estipulou. O cliente sempre pode esperar.

Pode ser que dê até um estranhamento se você descobrir que na verdade trabalha muito menos que imaginava. Dá uma sensação de que você não está fazendo o suficiente, mas isso é só resquício desse sistema de 8h enraizado no seu DNA. Com o tempo, você vai aprender a aproveitar o melhor de trabalhar pouco, e ter consciência de como você usa seu tempo. A melhor parte é saber que você tem autonomia sobre seu tempo e pode usá-lo como quiser.

⟵ Voltar

Quer receber notificações sobre novos conteúdos e iniciativas?

Tudo certo! 👍🏽
Ops! Algo deu ruim ☹