blog

Como tirar férias e 13° sendo freelancer

por Denise Saito

Última atualização

20 de Junho de 2022

Todo freelancer sabe a dificuldade que é parar de trabalhar – negar um trabalho pode ser sinônimo de uma grande oportunidade perdida e uma quantia considerável a menos de dinheiro na sua conta. Eu mesma demorei quase 5 anos como autônoma para tirar minhas primeiras férias, daquelas que você não leva computador e não responde email de cliente. Parece sonho? Então vem cá que te conto como chegar lá.

Minhas férias, minha vida

1. Aprenda a falar não

Não adianta se planejar para as férias se você não abrir espaço na agenda para isso. O mais importante é criar coragem para negar trabalhos que caiam na data do seu descanso ou da sua viagem. Negar trabalho não vai "queimar seu nome" ou te fazer ficar sem trabalhos pra sempre. Tenha em mente que dizer não te fazer valorizar seu tempo e seu trabalho e, consequentemente, seus clientes também irão te valorizar mais.

2. Calcule o custo dessas férias

Comece a planejar suas férias e levantar números. Vai ficar por aqui ou vai viajar? Por quanto tempo? Vai pra onde? Passeios? Passagens? Hospedagem? Enquanto você ficar fora, terá alguma despesa com a casa? Gatos ou cachorros? Coloque tudo na ponta do lápis até chegar num valor. Digamos que estou planejando passar um mês fora do Brasil, meu cenário de gastos seria mais ou menos assim:

  • Passagem
  • Hospedagem
  • Alimentação
  • Passeios
  • Aluguel
  • Catsitter
  • TOTAL
  • R$5.000,00
  • R$3.000,00
  • R$1.500,00
  • R$1.000,00
  • R$2.00000
  • R$500,00
  • R$13.000,00

Como passarei um mês inteiro fora, preciso deixar meu aluguel pago e uma pessoa para cuidar dos meus gatos. Adicionei também os custos que terei durante a viagem e cheguei ao valor total de R$13.000.

2. Defina uma data

A data da viagem vai definir quanto dinheiro você vai precisar juntar por mês até lá. Digamos que eu decidi viajar daqui 12 meses. O ideal é comprar a passagem com antecedência, o hotel reservado e o restante acumular com o tempo.

3. Faça as compras antecipadas

Nesse exemplo, eu poderia comprar a passagem dividida em 12 vezes no cartão, assim pagaria em parcelas de R$416,67 até a data da viagem. A reserva do hotel pode gerar algum tipo de custo também, então é bom calcular este gasto.

4. Junte o dinheiro para a viagem

Seguindo esse mesmo exemplo, eu teria que juntar R$8.000 (considerando o valor integral da hospedagem) até o dia da viagem. Dividindo este valor por 12, que é a quantidade de meses até lá, chego num valor de R$666,67. Ou seja, entre hoje e o dia da minha viagem vou juntar R$666,67 por mês para obter os R$8.000 necessários para pagar todas despesas. Mas é importante lembrar que além desse valor, ainda tem as parcelas da passagem vinculadas no cartão de crédito, ou seja, irei "gastar" R$1.083,33 no total por mês.

5. Recalcule se necessário

Pra que isso tudo seja possível, terei que separar esses R$1.083 todo mês, além do salário. Se parecer uma quantia muito alta e impossível de alcançar, refaça os planos da sua viagem. Talvez, nesse exemplo, eu possa passar menos tempo fora ou optar por um destino mais próximo. Refaça as contas até chegar num cenário possível para a sua realidade.

E o 13°?

Pode parecer um sonho, e no meu caso ainda é, mas assim como se planejar para tirar férias é possível se planejar para ter um décimo terceiro salário. Claro que antes de ter um décimo terceiro você tem que ter o primeiro, o segundo, o terceiro.... e o décimo segundo salário! Por isso, se você ainda não conseguiu se pagar o primeiro salário, volte algumas casas antes de prosseguir.

1. Calcule seu salário

Não tem como pagar um salário a mais se você não sabe quanto é esse salário. O primeiro passo é calcular seu custo de vida e definir seu salário.

2. Defina o investimento mensal

Divida seu salário por 12: essa é a parcela do décimo terceiro que sua empresa vai guardar por mês. Digamos que meu salário é R$9.000 – nesse caso, minha empresa vai guardar R$750 por mês.

3. Escolha onde deixar esse dinheiro

O ideal é deixar num lugar separado do fluxo de caixa da sua empresa para não confundir o que vai parar salários e impostos do que é seu décimo terceiro. Tenha em mente que você vai precisar resgatar essa grana em menos de um ano, então pode ser mais fácil deixar numa conta digital como Nubank ou Next.

4. Coloque essa despesa nas contas fixas da empresa

Isso vale tanto pra férias quanto pra décimo terceiro. Pra você conseguir esses benefícios, sua empresa tem que considerar essas despesas todo mês. Ou seja, na hora de cobrar, leve em consideração que terá que cobrar um pouco a mais pra ter esses bônus.

5. Ao final do ano, resgate seu benefício

Quando chegar Dezembro, resgate o montante total e se pague o décimo terceiro. Se no primeiro ano, você tiver começado a investir em Junho, terá metade de um salário para resgatar – mas é assim mesmo que funcionaria numa empresa como CLT. E comemore! Você chegou à maturidade freela que pouco conseguem alcançar!