blog

Porquê eu não cobro por hora

por Denise Saito

22 de Janeiro de 2021

Disclaimer: Esse post contém altas doses de transparência e sinceridade. Abro, sem filtros, meus números, quanto cobro, quanto ganho e faço isso porque falta essa abertura pra falar de grana e esse tipo de informação é muito valiosa. Meu objetivo é compartilhar conteúdos relevantes, que ajudem você a entender o valor do seu trabalho, não esfregar na cara dos outros quanto eu ganho. Sei que minha realidade tá muito longe da média do Brasil e tenho consciência que o que apresento aqui pode não ser um retrato fiel da minha profissão e da nossa sociedade.

Eu contei aqui qual é meu método de precificação e você deve ter percebido que a ideia de valor hora serve mais como base pra depois fazer muitos ajuses. No fim, eu raramente cobro exatamente o valor hora que estimei no começo. E nunca (ou quase nunca, com exceção de casos extremos) cobro no fim de um projeto de acordo com as horas trabalhadas. Hoje vou te contar o porquê e mostrar números que provam que não vale a pena.

Quero provas na minha mesa

Pra ter certeza se vale a pena ou não cobrar por hora, você precisa registrar suas horas de trabalho e manter o mínimo de organização de quanto você cobrou de cada cliente. Aqui eu mostro números reais de um controle que eu mantenho pra fazer esse rastreamento.

  • Horas trabalhadas
  • 17,5h
  • 30h
  • 50h
  • 6,4h
  • 4,5h
  • Orçamento cobrado
  • R$2.000
  • R$5.850
  • R$16.000
  • R$5.500
  • R$11.000
  • Valor hora cobrado
  • R$114
  • R$195
  • R$320
  • R$859
  • R$2.444
  • Orçamento por hora
  • R$4.900
  • R$8.400
  • R$14.000
  • R$1.792
  • R$1.260

Eu trago 5 exemplos pra ilustrar. A primeira coluna mostra quantas horas eu trabalhei de fato em cada projeto (e isso só consigo saber porque uso um rastreador de produtividade). A segunda coluna mostra o valor que eu cobrei de fato, que o cliente pagou. A terceira coluna mostra quanto eu ganhei por hora, dividindo o valor total pelas horas trabalhadas. E a última coluna mostra quanto eu ganharia se tivesse cobrado por hora, proporcional às horas trabalhadas (considerando meu valor médio de R$280/hora).

A primeira linha é referente a um projeto onde fui acionada para ser facilitadora gráfica num workshop e o orçamento era esse, não tive como negociar. No fim, acabei trabalhando fora do workshop também, antes e depois, pra preparar e finalizar os materiais. Resultado, acabei ganhando R$114 por hora, que é menos que meu valor mínimo. Se tivesse cobrado por hora, teria ganhado R$4.900 invés de R$2.000.

A segunda linha é referente a um caso que mencionei aqui (o caso 1). Eu trabalhei 30h e ganhei R$195/hora, que é só um pouquinho acima do meu valor mínimo. Se tivesse cobrado por hora, teria recebido R$8.400 e não R$5.850. Mas esses dois primeiros casos são exceções e só coloquei aí pra comparar. Na maioria das vezes, o cenário é mais parecido com as linhas debaixo.

Na terceira linha, trabalhei 50h e recebi R$16.000. Nesse cenário, acabei ganhando R$320/hora. Se tivesse cobrado aquele valor de R$280 por hora, teria recebido menos, ou R$14.000.

Na quarta linha, trabalhei 6,4h e recebi R$5.500. Meu valor hora acabou ficando em R$859. Se tivesse cobrado por hora teria recebido R$1.792 invés de R$5.500. Ou seja, nesse projeto meu valor hora foi 3x maior que R$280.

Na última linha, trabalhei pouquíssimo! Fui super eficiente e levei 4,5h pra resolver um trabalho grande. O orçamento era fechado de R$11.000, independente de quanto tempo trabalhasse de fato. Resultado, ganhei maravilhosos R$2.444 por hora! Quando na vida eu imaginei que um dia pudesse ganhar tantos dinheiros em uma única hora de trabalho? Jamais! E se tivesse cobrado por hora, teria recebido R$1.260. No fim acabei recebendo quase 9x que se tivesse cobrado por hora. E É DISSO QUE EU TÔ FALANDO!

Aqui eu separei só 5 exemplos mas minha lista de registros é bem mais extensa e 90% dos casos eu constato que cobrando por hora teria ganhado menos. Ainda não foi o suficiente pra te convencer? Então vamos a uma lista de motivos pra não cobrar por hora.

Me dê motivos

1. Se você é eficiente, deveria ganhar mais por isso e não menos.

Em outras palavras, se eu crio uma identidade visual em 4,5h então eu deveria sim ganhar mais que uma pessoa que demora 20h. Eu sou muito mais eficiente, sem deixar de ter qualidade. Eu resolvo o problema muito mais rápido, sem dor de cabeça, chego no resultado de forma mais fácil. Isso é o valor agregado do meu trabalho, algo que está embutido no meu orçamento mas não é palpável. Esse tipo de valor te valoriza (dãr!) e te faz merecer um pagamento melhor. Agora, se eu cobrar por hora, esse conceito vai por água abaixo porque, nesse cenário, trabalhar menos = receber menos.

2. Você nunca vai enriquecer cobrando por hora.

Porque afinal o dia tem 24h e isso nunca vai mudar. Pra ganhar muito cobrando por hora você tem duas opções: trabalhar muitas horas por dia ou cobrar um valor hora alto. A primeira opção, não recomendo. A segunda opção, arriscado. Imagina se eu colocasse nas minhas propostas que cobro R$500, R$600, R$800 por hora. Qual a chance de alguém me contratar? Ninguém ia me levar a sério. Isso porque a gente sabe que quem ganha R$800 por hora é um médico. E que tipo de designer acha que pode ganhar tanto quanto um médico? Números são algo muito fácil de comparar – valor agregado não.

3. Não importa quantas horas eu trabalhe desde que resolva o problema.

Nenhum dos meus clientes pede um relatório de horas trabalhadas. Nenhum deles sequer me pergunta quanto eu trabalhei. Sabe por que? Porque não importa. Que diferença faz se eu trabalhei 2h ou 20h? O que importa é o que eu entrego, o resultado do meu trabalho. O cliente paga pelo resultado e não pelo processo. Se eu trabalhei de casa, da praia, da China, de dentro de um bunker, também não importa. Se ele ficar satisfeito com o resultado, ele não vai dar a mínima pra quanto você ganhou por hora – e provavelmente vai ficar felizão se você resolver tudo antes do prazo imaginado.

Eu não tô dizendo que você NUNCA deve cobrar por hora. Existem momentos em que é inevitável, como mostrei ali em cima. Aqui falo um pouco mais sobre esses casos em que você não sabe como cobrar e cobrar por hora acaba sendo uma saída. Mas tenha em mente que não é a melhor forma e pense em soluções que te tragam mais valorização e recompensa financeira. Tá tudo bem ganhar bem pelo seu trabalho bem feito. Eficiência e experiência tem um preço e você merece ele todinho.

⟵ Voltar

Quer receber notificações sobre novos conteúdos e iniciativas?

Tudo certo! 👍🏽
Ops! Algo deu ruim ☹