blog

Como organizar suas finanças

por Denise Saito

Última atualização

07 de Junho de 2022

Ter uma vida financeira organizada é importante para qualquer pessoa, mas é duplamente importante para profissionais independentes. Isso porque não temos garantia de entradas para o futuro, e cabe a nós garantir nosso ganha pão a longo prazo.

Já falei aqui quais são os 8 passos para a saúde financeira freela e hoje vou detalhar como manter as finanças em dia.

Por onde começar

1. Rastreie seus gastos num app, numa planilha ou num caderninho

O método que você usa depende muito da sua personalidade, e não existe melhor ou pior. Existe o melhor pra você. Se você não suporta abrir o computador pra nada nessa vida, use um app. Se gosta de ter um controle mais detalhado, escolha a planilha. Se tem mais facilidade com o bom e velho papel, opte por um caderno. O importante é tomar nota de tudo que você gasta e ter dados pra organizar seu custo de vida.

Algumas sugestões de apps para celular: Guia Bolso, Organizze, Mobils, Pennies, Money (bom pra quem gasta em várias moedas), Acorns e Mint.

Também indico o QuickBooks pra quem quer uma plataforma web mais completa, com a opção de acessar pelo celular.

Pra quem curte uma planilha, dá uma olhada no modelo que a gente disponibiliza para download aqui. Eu explico o funcionamento dela no vídeo ali em cima.

2. Descubra seu custo de vida e seu faturamento mínimo.

Falo sobre custo de vida aqui e faturamento mínimo aqui. Quando você chega a esses dois valores, você automaticamente está separando sua vida PF e PJ. Isso também é importante para descobrir seu salário e ter bases na hora de cobrar.

3. Comece a se pagar um salário

O primeiro salário é sempre mais difícil de acontecer. O cenário mais comum costuma ser assim: você junta um pouquinho de grana pra se pagar um salário no próximo mês, mas algum imprevisto acontece e você tem que usar o dinheiro. No mês seguinte, tudo que entra você precisa pegar pra pagar as contas e não consegue acumular um valor pra se pagar um salário inteiro. Isso é normal e acontece porque provavelmente você não está faturando o suficiente para pagar as contas e guardar para o mês seguinte. Certifique que você está tendo uma margem de lucro e tenha paciência. O primeiro salário pode demorar pra chegar, mas depois dele os próximos virão mais facilmente.

4. Monte uma reserva de emergência

Falo mais detalhadamente disso aqui, mas resumindo: é muito importante ter um colchão pra te segurar nos momentos difíceis. Isso vai garantir que você consiga fazer planos pro futuro, além de dar a liberdade de negar trabalhos quando precisar.

5. Recalcule seu salário anualmente

Seria algo parecido ao dissídio, que é um aumento de tempos em tempos para ajustar seu salário ao custo de vida que fica mais caro por conta da inflação. Se a inflação do ano fechou em 10%, aumente seu salário no mesmo valor. Esse reajuste é o mínimo que você deveria se dar de aumento, sem contar com aumentos por evolução profissional.

6. Se dê um aumento à medida que você evolui

Se você tivesse um chefe, talvez ganharia um aumento, um bônus ou uma promoção. No nosso caso, quem dá isso somos nós mesmos. E como saber quando é a hora de receber um aumento? Não tem regra ou fórmula mágica – você vai sentir quando é a hora. O que vai indicar que talvez seja o momento é sua evolução profissional, o aumento da qualidade do seu trabalho e seu reconhecimento como profissional.

7. Se pague férias e décimo terceiro

Talvez não seja fácil chegar lá, mas coloque isso como meta. Se precisar escolher um para acontecer antes, dê preferência para as férias – afinal a gente merece um descanso, né? Aqui eu falo mais sobre esse tema.

8. Tenha disciplina diária

Último ponto e o mais importante: cada dia faz a diferença. Evite passar muito tempo sem olhar para suas finanças e organizar seus gastos. É melhor fazer um pouco todo dia que ter um trabalhão no fim do mês. Mantenha seu controle financeiro em dia para garantir uma dose extra de saúde mental.